Mitos e verdades da doação de sangue

  1. Idosos não podem doar sangue. MITO. A partir de 2013, houve aumento na idade máxima dos doadores de sangue pelo Ministério da Saúde. Atualmente, pessoas entre 16 e 69 anos podem realizar o ato de doação.
  2. A doação é restrita a pessoas sem piercing e tatuagem. MITO. Apenas pessoas com piercing na cavidade oral não podem realizar a doação, pois a boca está mais receptiva a infecções do que outras áreas do corpo. Sobre pessoas com tatuagens, é indicada que a doação seja feita após um ano da realização do desenho, pois é o tempo adequado para manifestações de doenças contagiosas que possam ser transmitidas pela agulha.
  3. O peso influencia na doação. VERDADE. O peso do voluntário deve ser a partir de 50 quilos.
  4. Gestantes e lactantes não podem doar. VERDADE. Mulheres grávidas ou que estejam amamentando não devem doar. As lactantes devem aguardar 12 meses após o parto. E no período pós-parto, a mulher poderá ser doadora após 90 dias, em casos de parto normal e 180 dias em cesárias.
  5. Descanso e alimentação influenciam na doação. VERDADE. É necessário estar descansado e não ter praticado atividades físicas intensas pelo menos cinco horas antes da doação. Em relação à alimentação, é preciso estar bem nutrido, com refeições prévias leves e sem gordura. Além disso, é proibido o consumo de bebidas alcoólicas até 24 horas antes da doação.
  6. Doadores estão suscetíveis a doenças transmissíveis via sangue. MITO. A partir da implementação do teste NAT com fomento da ABHH, doenças como HIV, Hepatites B e C, são detectadas pelo procedimento que tem capacidade de identificar se a pessoa está contaminada mesmo que haja um curto período, entre o dia de contaminação e a doação.
  7. O doador pode realizar o ato a cada 30 dias. MITO. A doação de sangue deve realizada com intervalo mínimo de 60 dias para homens e 90 dias para as mulheres, ou seja, em um período de 12 meses, há possibilidade de doação de até quatro vezes por ano, no caso de doador masculino e três em caso de doadora.

Mitos e verdades sobre a anemia

  1. Anemia é sempre um sinal de má alimentação. MITO. Existem outros fatores que podem levar à doença. Um exemplo é a anemia falciforme, condição hereditária em que o corpo produz um tipo diferente de hemoglobina que prejudica o transporte de oxigênio pelo sangue. Ainda assim, a má alimentação é a principal causa de anemia em crianças. Em adultos, ela raramente é causada por fatores alimentares, sendo, muitas vezes, sinal de inflamação, doença dos rins, infecção, câncer, gastrite ou sangramento.
  2. Crianças e adultos anêmicos são proibidos de praticar esportes. MITO. Muitas vezes falta disposição para o paciente se exercitar, justamente por causa dos sintomas da anemia. Ainda assim não há uma proibição médica geral. Tudo depende do grau de anemia, de como o coração do paciente está e da intensidade do exercício.
  3. A diabetes pode causar anemia. VERDADE. Um dos possíveis problemas ocasionados pela diabetes é o comprometimento da função renal e aparecimento de um quadro de anemia.
  4. Toda anemia tem origem genética. MITO. Por mais que existam anemias hereditárias como a falciforme e a talassemia, nem sempre a causa é herdada. A maioria das anemias não é genética, mas adquirida. Alguns exemplos são as anemias por falta de ferro, por falta de vitamina B12 e por inflamação, entre outras.
  5. Se não for tratada, a anemia evolui para leucemia. MITO. Mesmo que não seja tratada adequadamente, não existe nenhum risco de a anemia evoluir para leucemia. Essa confusão acontece porque a anemia pode ser um dos sintomas de leucemia, não o contrário. Se não tratada, a anemia pode levar a problemas do coração, cansaço, indisposição e fraqueza.

Mitos e verdades da trombose

  1. É possível prevenir a trombose? VERDADE. Além do acompanhamento médico, qualquer pessoa pode tomar medidas de prevenção. Muitas delas podem ser incorporadas no cotidiano. Algumas das dicas são: exercitar-se ou fazer pequenas caminhadas regularmente; controlar o peso; evitar o cigarro; movimentar as pernas durante longos períodos sentada; usar meias elásticas no caso de insuficiência venosa, sempre com orientação médica.
  2. Apenas mulheres têm a tromboseMITO. A incidência de trombose é igual nos dois sexos quando não estratificado por faixa etária. Quando é avaliada apenas a faixa entre 20 a 40 anos, a incidência é um pouco maior nas mulheres exatamente pela maior exposição a fatores de risco, como os anticoncepcionais e gestações.
  3. Anticoncepcional é uma das principais causasMITO. Existe uma correlação do uso dos anticoncepcionais com o tromboembolismo venoso. O aumento do risco relativo de trombose associado a estes é de duas a sete vezes maior quando comparamos mulheres da mesma idade que usam verso aquelas que não fazem uso. O vilão da história é o estrógeno, que interfere no equilíbrio da coagulação favorecendo a formação de trombose.
  4. Dor é um dos sintomas. VERDADE. Os membros inferiores são os locais mais comuns de trombose e os principais sintomas são o edema (inchaço), a vermelhidão, a dor e o calor local, além de dor nas pernas.
  5. Exame de imagem é essencial para o diagnósticoVERDADE. É imprescindível a realização de um método de imagem sempre quando há suspeita clínica para confirmar e localizar o coágulo.
  6. Gestantes podem desenvolver trombose. VERDADE. O corpo da mulher passa por uma série de mudanças durante a gravidez. O organismo se prepara para a situação do parto, aumentando as substâncias pró coagulantes no sangue. O resultado é um risco seis vezes maior de trombose durante a gestação. No período de pós-parto, durante aproximadamente 40 dias, esse risco chega a ser 15 vezes maior.
  7. Existem fatores de risco. VERDADE. Entre os fatores relacionados à trombose arterial e venosa estão antecedentes familiares de eventos trombóticos, tabagismo, aterosclerose, hipertensão arterial; e no caso da venosa, antecedentes familiares de eventos trombóticos, idade, cirurgias gerais, trauma, câncer, uso de contraceptivos orais, terapia de reposição hormonal, entre outros.

Mitos e verdades sobre síndrome mielodisplásica

  1. A SMD pode evoluir para outras doenças. VERDADE. As células progenitoras acometidas podem sofrem sucessivos danos ao seu material genético,comprometendo sua proliferação e diferenciação, condição que pode, em um terço dos casos, evoluir para leucemia aguda.
  2. A causa da doença é conhecida. MITO. Não se conhece a causa dessa doença em cerca de 90% dos casos (SMD primária). Em aproximadamente 10% dos casos a doença se desenvolve após exposição prévia a agentes quimioterápicos para tratamento de uma outra neoplasia prévia (SMD secundária).
  3. Existe cura. SIM. Porém o único tratamento com potencial curativo é o transplante de medula óssea. Infelizmente, a falta de doador, a idade avançada e a presença de outras comorbidades limitam muito a disponibilidade para esse tratamento.
  4. O tratamento no Brasil é acessível como nos outros países. MITO. Para os pacientes com o tipo de SMD chamado “deleção 5q” o tratamento considerado de primeira linha no mundo é a lenalidomida, com boa resposta em cerca de 70% dos casos. Essa droga, infelizmente, ainda não foi aprovada pela agência reguladora do Brasil, a Anvisa. Para pacientes com doença de mais alto risco de evolução para leucemia aguda está indicada uma droga da classe dos hipometilantes (azacitidina e decitabina), aprovados no Brasil, mas não disponíveis para pacientes no âmbito do Sistema Único de Saúde.
  5. O transplante de medula óssea é procedimento essencial para o tratamento. VERDADE. A indicação para o transplante de medula óssea deve ser sempre considerada, em especial para pacientes mais jovens e com doenças classificadas como de mais alto risco de evolução para leucemia aguda.
  6. O paciente precisa realizar transfusão de sangue? VERDADE. As transfusões de sangue (hemácias e plaquetas) são parte das medidas de suporte e fazem parte do tratamento de todos os pacientes. Um dos objetivos do tratamento é, além de melhorar a sobrevida, reduzir a necessidade transfusional e garantir melhor qualidade de vida aos pacientes.
  7. Uma pessoa com SMD pode ter uma boa qualidade de vida, desde que tenha acesso ao tratamento adequado. VERDADE. Com certeza não apenas qualidade de vida, mas também maior sobrevida. O ideal é que todos os pacientes tenham acesso a um centro especializado e ao tratamento melhor indicado para seu caso, em tempo hábil para se beneficiar.

Programas de Acreditação AABB/ABHH

Etapas do processo

Formulário de Solicitação de Acreditação

Tabela de Locais

Pedido de Variância

Plano de Ação Corretiva

Clique aqui e conheça

Associado ABHH:
Mantenha-se em dia com a anuidade e usufrua de benefícios.

Clique aqui

Siga a ABHH @ABHH no Instagram
e utilize a #ABHH